iPod School
iPod School

Vamos falar sobre os Macs! (Análises, dicas e guia de sobrevivência com os novos MacBook Pros)

Nossas opinões sobre os novos MacBook Pros, razões para comprar ou não comprar, dicas e análise de tudo que foi mostrado pela Apple.

Cibelly AguiarCibelly Aguiar

No dia 27 de outubro, a Apple mostrou ao mundo os novos MacBook Pros. Tentamos cobrir o evento, mas por falhas técnicas não foi possível. Também não tivemos post pós-evento pois decidimos fazer um resumo completo (que sairá essa semana) com todas as notícias e informações sobre os novos MacBook; ou seja, post combo!

Enfim, vamos ao assunto. A Apple mostrou os novos MacBook Pros, todo com novo design, infelizmente sem maçã que acende, sem o chime de inicialização, sem portas USB-A e outros tipo padrão, exceto por headphone jack, processadores Skylake, ou seja, não são da geração atual da Intel, GPU de geração anterior entre outros. Pelo menos teve a TouchBar, que para muitos compensou todos os pontos negativos citados anteriormente.

Cvz8ioKVIAAeywD-1.jpg

Quem viu, principalmente, os meus posts aqui sabem que eu estava muito ansiosa para o lançamento dos novos Macs, pois estava esperando por eles desde o evento de março deste ano. O mês de outubro foi badaladíssimo com cada rumor que saiu. Como diz Roberto Carlos: “São tantas emoções que a gente vive”. Foi esse o meu caso, muitas emoções para a chegada dos novos Macs. Parece idiota, pode até ser, mas é assim que a vida gira.

Por esses motivos que citei acima, a maioria das coisas que a Apple retirou nos Macs, ou deixou faltar em certos quesitos não me afetou tanto, pois gostei do corpo do computador em si e inclusive já encomendei o meu. Não foi uma atitude favorável da Apple algumas modificações feitas nos Macs e muita gente foi contra, principalmente com a retirada do cartão SD, já que grande maioria dos usuários dos MacBook Pros são Pro users, como fotógrafos, editores de vídeos e cartão SD é praticamente um estilo de vida para esses profissionais. Nesse ponto a Apple pecou. Principalmente porque o que parece ter acontecido foi a Apple olhar a maioria dos consumidores que não usa os cartões SD ou portas HDMI que também foram removidas e quiseram trazer para todos os usuários uma máquina de cárater profissional em um corpo não tão profissional.

Quando digo corpo não tão profissional, me refiro à quantidade de portas e configurações da máquina. A Apple manteve o padrão estético dos produtos em excelente shape. Mas é aquele ditado: quem vê cara não vê coração, ou no caso dos Macs, quem vê externo não vê a configuração.

Os novos MacBook Pro este ano vieram apenas com portas USB-C e uma headphone jack. Sendo o modelo Pro 13” sem TouchBar com apenas 2 entradas USB-C; e os modelos Pro 13” e 15” com TouchBar com 4 entradas USB-C.

O MacBook Pro de 13” sem TouchBar, veio principalmente para matar a linha Air e mudou o nome para Pro. Mas por dentro acaba sendo a mesma coisa do Air, com a diferença de ter tela retina. Os preços são elevados, nos EUA começando a partir de $1500, de acordo com o site da Apple no Brasil este modelo custará R$11.499,00 com as seguintes configurações:

Se compararmos com o MacBook Air de 13” que ainda é vendido por um preço um pouco mais baixo, o modelo de entrada sai a $999 nos Estados Unidos com as configurações diferenciando apenas no tamanho do SSD, que ainda é de 128GB. São essas as configurações de entrada, custando R$7.499,00:

Ou seja, as configurações são relativamente parecidas, se diferenciam pelo tempo que foram lançadas e fatores do tipo. Mas, considerando os novos MacBook Pros, neste caso o 13” sem TouchBar, dependendo do usuário, um MacBook Air de 13” entregará potencial parecido e trará a praticidade de não precisar de adaptadores. Pois o MacBook Air ainda possui o MagSafe, portas USB-A, Thunderbolt 2 e SD slot. Repetindo, dependendo do usuário.

E se você, que pretende ter um MacBook 13” e quer ter algo não tão poderoso, mas completo, o mais recomendado seria o MacBook Pro 13” com a TouchBar, que foi o elemento surpresa da Apple esse ano. Não tão surpresa, pois quem fez o burburinho dessa vez foi a Microsoft, mas isso fica para outro post.

O MacBook Pro certamente desapontou muita gente, embora a Apple tenha dito que nunca teve um número tão grande de encomendas na história do MacBook Pro. Ou seja, reclamaram, mas compraram o produto. Só que mesmo assim, a Apple deu explicações sobre a necessidade de retirar todas as entradas e também sobre ter usado processadores da geração anterior.

A empresa explicou que as portas USB-C são multifuncionais, ou seja, elas carregam o Mac (qualquer uma delas), transferem arquivos e são muito potentes. Atualmente, grande parte dos arquivos dos usuários estão na nuvem, e também as câmeras atuais proporcionam uma experiência wireless excelente. Sobre o fato de ter sido usado processadores da geração anterior foi pelo fato da Intel não ter entregado ainda o Kaby Lake com Intel Core i7 quad-core, apenas dual-core; o que não seria tão legal num MacBook Pro. O lançamento do quad-core Kaby Lake está marcado para Dezembro, mas pelo risco de atrasos na produção e entrega, além de que a Apple teria que adiar mais o lançamento dos novos MacBook Pros, a ideia mais prática seria Skylake i7 quad-core.

Agora, vamos refletir. Eu disse acima que a Apple manteve a headphone jack nos Macs. A Maçã disse que diferentemente do caso dos fotógrafos que podem acessar os dados via wireless, muitos usuários dependem do headphone jack, especialmente os que trabalham com áudio em estúdios ainda não têm soluções wireless. Só que em setembro a Apple lançou o iPhone 7 sem headphone jack. Aí vem a fragmentação: usuários do iPhone 7 se não comprarem, não poderão usar os fones de ouvido do iPhone no Mac, já que a entrada dos novos fones é lightining. Entenderam? Temos aparelhos da mesma empresa, que supostamente trabalham juntos e nem o fone de ouvido de um pode ser usado em outro. Sem falar que não tem como conectar seu iPhone no Mac sem um adaptador de USB-A. Isso para mim é inexplicável, se você souber o por quê, por favor me avise!

Repito, gostei muito dos Macs, mas ainda assim a Apple pecou muito. Se ela sabia que iria lançar iPhone 7 com USB-A e MacBook com USB-C, seria muito mais lógico ou uma porta lightning no MacBook, pelo menos para o fone de ouvido, ou o iPhone com entrada USB-C para padronizar tudo. É uma grande incógnita as razões da Apple. Pode ser o marketing poderosíssimo de vender adaptadores, porque uma empresa deste porte pensa muito antes de tomar atitudes “drásticas” como essas.

Pelo menos as reclamações sobre o uso de adaptadores fez a Apple diminuir o preço deles em sua loja on-line.

Confira a lista abaixo:

Convenhamos que a redução dos preços foi bem boa. Principalmente do USB-C para USB-A que foi reduzido em 50%.

Guia de adaptadores de terceiros

Mas, se você não pretende comprar todos os adaptadores da Apple, existem opções certamente mais baratas de Hubs e Docks de marcas confiáveis com produtos de qualidade. Abaixo eu separei uma lista dos que recomendo e pretendo comprar para o meu MacBook Pro.

Minha opção pessoal é o Satechi Slim 4K que custa $60, que oferece uma porta HDMI com 4K display e suporte de TV, duas entradas USB-A e uma porta USB-C, para passar carga para o Mac, caso necessário. Ele está disponível nas cores dourado, prata, cinza espacial e rose gold.

Para comprá-lo, clique aqui.

satechi_usb_c_hubs.jpg

Se você quiser algo mais completo, a Satechi também oferece o Adaptador Multiporta Satechi 4K que custa $80. Esse é o hub mais completo deles, que conecta apenas a uma porta USB-C e tem uma HDMI com suporte para 4K e televisão, três portas USB-A, uma entrada SD, uma entrada microSD, uma porta Ethernet e uma USB-C para passar carga entre dispositivos. Ele está disponível nas cores dourado, prata, cinza espacial e rose gold.

(Ao meu ver, esse compensa mais, por $20 você leva 3 novas conexões, incluindo mais uma USB-A)

Para comprá-lo, clique aqui.

A Satechi tem um hub que 3 em 1 e conecta-se diretamente ao Mac (como um corpo só) custando $25 e oferece 3 USB-A, uma entrada SD e uma microSD. Ele está disponível nas cores dourado, prata, cinza espacial e rose gold.

satechi-3-in-1-usb-c-hub.jpg

Para comprá-lo, clique aqui.

(Há uma versão semelhante a esse adaptador incluindo uma porta USB-C para passar carga entre dispositivos custando $45)

Para os usuários de cartão SD e microSD a Satechi oferece um leitor USB-C apenas para eles, custando $15.

satechi_microsd_usb_c_card_reader.jpg

Para comprá-lo, clique aqui.

A marca HyperDrive também oferece modelos semelhantes aos oferecidos pela Satechi. Um deles é o Hyper-Drive USB-C Hub com 4K HDMI, que custa $60. Ele está disponível nas cores dourado, prata, cinza espacial e rose gold.

mbp_2016_hyperdrive.jpg

Este adaptador conta com uma porta HDMI com suporte para 4K e TV, duas portas USB-A e uma USB-C para troca de carga entre dispositivos.

Para comprá-lo, clique aqui.

A HyperDrive também tem um hub 5 em 1 custando $43 e, conta com uma porta USB-C, duas portas USB-A, entrada para cartão SD e microSD. Ele está disponível nas cores dourado, prata, cinza espacial e rose gold.

satechi-5-in-1.jpg

Para comprá-lo, clique aqui.

Para os Pro users, a OWC oferece uma dock USB-C, custando $150. Ela oferece 4 entradas USB-A, uma porta Ethernet, uma porta HDMI com suporte para 4K display e TV, uma entrada para SD card, uma entrada para fone de ouvido. Compatível com USB 3.1. Essa dock ainda oferece 80w de power para carregar o MacBook e periféricos. Ele está disponível nas cores dourado, prata, cinza espacial e rose gold.

OWC-UBS-C-Dock.jpgPara comprá-la, clique aqui.

Essas foram algumas das opções que encontramos. Existem várias outras marcas no mercado mais baratas que podem lhe atender igualmente, mas pelo critério de qualidade, escolhemos estas acima.

Sobrevivendo sem MagSafe

O amado MagSafe foi retirado dos novos MacBook Pros, o que trouxe tristeza para muitos. Várias pessoas já tiveram seus MacBook e o de outras pessoas salvas pelo MagSafe.

A trava magnética do carregador impedia que caso alguém tropeçasse no fio do carregador o MacBook fosse para o chão junto. E agora, com os carregadores USB-C, isso não acontece mais. A menos que você não use uma dessas duas ideias que surgiram na web.

A primeira delas é chamada BreakSafe da Griffin. Ele surgiu junto com o MacBook de 12” e se conecta ao carregador e a uma parte magnética que fica conectada ao computador. Mas há um problema: ele não é compatível com o MacBook Pro de 15”, já que sua voltagem máxima é de 60W e o MBP 15” usa 87W.

usb-c-break-safe-cable_1

Mas, como o mundo é feito dos espertos, já surgiu no Kickstarter um projeto chamado Snapnator que é compatível com os novos MBP’s, inclusive com o de 15”. No site do produto, informam que ele é capaz de entregar até 100W de energia. Ele é composto por dois adaptadores pequenos com uma ponta USB-C e a outra magnética. Para fazer funcionar, basta conectar o cabo de energia a uma ponta e a outra ao Mac.

04-snapnator2

A data de entrega do Snapnator de acordo com a empresa responsável é Janeiro de 2017. Você pode reservar o produto no Kickstarter a partir de $29.

Considerações Finais

Os MacBook Pros vieram cheios de acertos e defeitos, nessa hora depende de nossas necessiades para descobrir qual é o melhor de acordo com nossas opções. Vale ainda lembrar que os MacBook Pros de 2015 tiveram os preços reduzidos em todo o mundo. Então para você talvez compense um modelo mais antigo que pode fazer a diferença já que tem todas as portas necessárias e passa longe de ser obsoleto.

Você pode esperar mais posts sobre os novos MacBook Pros por aqui e se possível, em breve um review de algum dos modelos disponíveis a partir do fim deste mês.

Quais suas opiniões sobre os novos MacBook Pros? Vamos bater um papo aí nos comentários!

Geek fã de tecnologia, principalmente Apple. Gosta de escrever e faz sempre que o pode. Quer falar comigo? Estou no Telegram pelo usuário @aguiarcibelly.