Press "Enter" to skip to content

Obsolescência programada é motivo para Apple ser processada

lampada

Obsolescência programada é a atitude de uma empresa de vender um produto já pré-programado para se desgastar bastante ao longo de um intervalo de tempo bem curto, forçando, assim, seu cliente a comprar mais e mais gerações do aparelho. Isso acontece onde você menos imagina. Lâmpadas podem durar, tecnicamente, um tempo muito maior do que o valor exemplar de mil horas que duram hoje. Em 1972, foi descoberta uma lâmpada em uma sala do corpo de bombeiros que estava acesa desde 1901. A ‘lâmpada de Livermore’, como foi entitulada, ganhou até uma festa de aniversário, e está acesa até hoje. Louco, não? Mas por isso que a lâmpada se tornou a primeira vítima da obsolescência programada, e o conceito facilmente se expandiu. Hoje, o conceito é o “motor secreto” da sociedade de consumo, sendo ensinado em cursos de designers e engenharia.

Sim… As lâmpadas duram pouco pelo mesmo motivo que seu iPhone 2G rodando o iOS 3.1.3 e seu iPhone 3G rodando o iOS 4.2.1 – últimas versões para cada um dos aparelhos – tornam-se praticamente inutilizáveis. Celulares que, em 2007 e 2008, eram responsáveis por representar uma revolução do desempenho e tecnologia, hoje tornam-se smartphones lentos e que nos passam a impressão que não respondem aos nossos comandos: tudo isso foi feito magicamente com atualizações de firmware. Por mais que a situação seja chata, ela é responsável por sustentar empresas e impulsionar o desenvolvimento tecnológico.

Ano passado, a Apple surpreendeu ao quebrar seu ciclo de uma geração por ano e lançar três iPads no mesmo ano: o iPad 3, o iPad 4 e o iPad mini. A empresa recebeu críticas e elogios por toda a blogosfera, mas a primeira ameaça surgiu agora: o Instituto Brasileiro de Direito de Informática acusa a maçã mordida de prática comercial abusiva na ocasião do lançamento do iPad 4 em terras brasileiras. A alegação é que o iPad 4 não trouxe evolução tecnológica efetiva, e a classificação de “obsolescência programada” é extremamente cara. De acordo com o Jornal do Comércio, caso a Apple perca, consumidores que adquiriram o tablet de terceira geração deverão ser indenizados pela empresa.