Press "Enter" to skip to content

Minhas apostas para amanhã

Finalmente o evento do lançamento do iPhone 2011 foi confirmado, mas ainda não sabemos nada sobre ele além de que será no dia 4 de outubro de 2011 – nem mesmo seu nome, apesar de que neste artigo será chamado apenas de iPhone 5.

Tudo que eu escrever aqui não tem base senão minha própria opinião e rumores sobre o próximo gadget da Apple. Se você quer apenas fatos, pule para o próximo. Se você quer ver o que eu acho a respeito desse evento e do iPhone 5, clique em “ler mais”.

O hardware

 

Por dentro, o iPhone 5 deverá ter o mesmo chip do iPad 2, o A5, feito pela própria Apple. Dual core com 1GHz, a mesma configuração dos atuais top de linha. Pelo lado da memória RAM, o iPhone 5 deve dobrar a memória do iPad 2, chegando a incríveis 1GB, assim como o iPhone 4 fez com o iPad 1.

A câmera deverá ter um upgrade, passando de 5 para 8 megapixels – o que, como quem se interessa por fotografia provavelmente sabe, deveria aumentar também a quantidade de ruído presente nas fotos (aquela granulação que aparece quando você tira fotos a noite). A solução que os rumores apresentam para esse problema é um sensor retroiluminado, que possibilitaria fotos “limpas” até mesmo em condições de pouca luz.

Na parte de fora, o iPhone deverá mudar um pouco o design adotado no iPhone 4, principalmente por causa de dois fatores: aumento de tela e um novo botão home.

A Retina Display, tecnologia da Apple que foi adotada no iPhone 4 e que teoricamente impossibilita a distinção dos pixels na tela deste, foi uma inovação necessária para um plano a médio prazo da Apple. Como você, sendo responsável pelo smartphone mais vendido do mundo, aumentaria sua tela sem atrair críticas, ainda mais quando uma de suas maiores vantagens sobre o principal concorrente é um sistema unificado? Eu respondo: Gradualmente. No iPhone 4 a Apple apresentou um aumento de resolução em uma tela de mesmo tamanho, fazendo que ao longo de quase um ano e meio os desenvolvedores fossem adaptando seus aplicativos para a nova resolução.

No iPhone 5, mantém-se a resolução e aumenta o tamanho da tela, diminuindo apenas um pouco a densidade de pixels por polegada (dpi). Deste modo, acredito que o novo iPhone tenha uma tela de 3.7”, ligeiramente maior do que o atual mas ainda menor do que os “trambolhos” concorrentes (por exemplo o Galaxy Note, da Samsung), que ultrapassam as 4”.

O botão home seria a outra mudança no design do novo iPhone, com um design um pouco mais largo, quase retangular, dando lugar ao atual círculo, mas ainda se manteria físico, diferentemente de alguns rumores que dizem que ele seria abandonado em prol de uma superfície capacitativa.

 

O software

 

O iPhone 5 obviamente virá com o iOS5, que estamos testando desde junho, quando foi liberado o primeiro beta para desenvolvedores. Então por que eu dediquei uma sessão inteira para este aspecto?

Simples, por uma das funções mais aguardadas do iOS5, que surpreendentemente apareceu apenas em screenshots vazadas: O Voice Assistant, um upgrade muito bem vindo ao “brinquedo” Voice Control.

Voice Assistant seria o nome dado à parceria entre a Apple e a também americana Nuance, especialista em controle de voz e desenvolvedora veterana no iOS, responsável pelos aplicativos Dragon Dictation e Siri Assistant.

De acordo com  os rumores, o novo Voice Assistant estaria presente em todo o sistema, podendo ser ativado ao pressionar o botão home por alguns segundos, assim como o Voice Over. Entretanto, ocuparia apenas uma parte da tela, área semelhante à ocupada pela multitasking bar, e não a tela inteira. Isso faz ainda mais sentido se considerar o aumento de tela no iPhone 5. Além disso, este iPhone seria o único capaz de rodar a novidade, devido ao poder de processamento e maior memória RAM, motivo que explica sua ausência nos Betas atuais, bem como referências a ele terem sido encontradas no código.

O Voice Assistant seria muito mais útil que seu irmão mais velho, podendo, através de voz, adicionar eventos no calendário, ter integração com o novo aplicativo “Lembretes” e até mesmo responder SMS, entre outros. Essas funções deverão estar disponíveis em Inglês, Espanhol, Francês, Alemão e até mesmo Português, entre outros.

 

O “iPhone nano”

 

Não, a Apple não lançará um iPhone menor e mais barato. Ela já lançou. Como disse anteriormente, acredito que o iPhone 5 terá uma tela ligeiramente maior, 3.7” contra as atuais 3.5”. Assim que ele começar a ser vendido, o iPhone 4 deverá receber também um update: Um “novo” modelo com GSM e CDMA, e apenas 8GB de armazenamento, sendo vendido por $99 com contrato com ou $499 desbloqueado. Assim, seria um modelo menor e mais barato que o iPhone, se tornando o “lendário” iPhone nano. Com o iCloud, 8GB deverá ser o suficiente para muitos usuários, e o preço menor se torna especialmente atrativo frente aos concorrentes fora do topo do mercado – androids mais baratos lançados por diversas empresas.

Update: Como o Izzy Nobre comentou, no Canadá o iPhone 4 já é vendido por $99, obviamente mediante contrato. Será que o suposto iPhone 4 de 8GB poderia ser gratuito? Isso sim seria interessante para fazer frente aos inúmeros Androids não-top-de-linha do mercado, assim defendendo o market share do iOS.

 

Acha que eu não falei nada que prestasse? Coloquem suas opiniões nos comentários 😉