Press "Enter" to skip to content

iPad dita padrão e concorrentes correm atrás

Com o iPad finalmente lançado pelo menos nos Estados Unidos, Dell, Hewlett-Packard e outros fabricantes também planejam lançar as suas próprias versões de tablets.

Porém pelo fato de ter sido pioneira neste nicho de mercado e tendo a frente Steve Jobs no comando da maçã, talvez a concorrência sofra para bater a Apple e a firma de Cupertino pretende criar obstáculos para que o público continue fiel a maçã e ao seu iPad.

E isto se deve ao simples fato por ser o primeiro tablet a ter chegado ao mercado, quando eu digo primeiro quero dizer a expectativa que foi criada em torno dele e o iPad praticamente definiu o novo mercado criado.

E talvez nisto a concorrência vai penar pois para chegar perto do que o iPad oferece, a vasta e conhecida App Store com sua ampla gama de aplicativos e o baixo consumo de energia que o iPad proporciona onde é possível assistir várias horas de vídeos, ler livros, bem como utilizá-lo como plataforma de games, não vai ser tarefa fácil.

As fabricantes Dell e HP estão finalizando aparelhos que tem como base funções parecidas com o iPad, existem boatos de que Sony, Sansung e Nokia também estão planejando entrar neste novo mercado.

O trabalho que estas empresas terão é que talvez não importe o que eles tragam em termos de hardware mas no que irão oferecer em termos de softwares e nisto a Apple saiu na frente e muito.

Segundo o que disse o analista de consultoria da Kaufman Bros. Shaw Wu :

Só porque isso funciona para a Apple, não significa que vá funcionar para os outros. Eles precisam se preparar para tentar algo diferente.

Não é novidade para ninguém que a maçã monopoliza o mercado de players musicais vide o sucesso do iPod e com o lançamento e sucesso do iPhone ela mudou o conceito que as pessoas tinham sobre smartphones inteligentes. E neste novo segmento que surgiu com o lançamento do iPad o medo do mercado especializado é que a maçã monopolize este novo nicho e os seus concorrentes não consigam fazer frente.

Estudos apontam que mantendo este ritmo a Apple pode atingir em 2014 a impressionante marca de 50 milhões de unidades vendidas, isto com base em outra pesquisa feita pela In-Stat.

Analistas dizem que para os concorrentes da maçã conseguirem sucesso, estes devem olhar não só para o hardware que será oferecido, mas também para o conteúdo de aplicativos e serviços oferecidos e é isto que vai determinar o sucesso ou não destes tablets.

Só que neste detalhe os concorrentes já começam em desvantagem, pois a maçã já solidificou o sucesso com a iTunes Store após tantos anos de experiência com estúdios de cinema, gravadoras, produtores de vídeo-games e emissoras de TV.

Já a App Store é uma história à parte pois ela apostou num mercado e conseguiu sucesso implacável onde ela ofereceu a pequenos produtores independentes a possibilidade de comercializar seus aplicativos e grandes produtoras também.

Confira o que o analista do grupo In-Stat, Jim McGregor disse:

Não adianta lançar um aparelho que não cumpra as expectativas. A Apple oferece uma solução completa, que inclui conteúdo e aplicativos.

A fabricante Dell disse que o seu primeiro modelo de tablet que vai ter funções de smartphone, diferente do iPad e terá tela com 5 polegadas, tem previsão de lançamento para daqui à 3 ou 6 meses e vai vir atrelado a uma companhia de celular.

Já a HP, tendo por muitos como a maior fabricante de PCs pessoais do mundo, também irá lançar a sua versão de tablet ainda este ano. Ele vai ter praticamente as mesmas dimensões do iPad da maçã, porém o diferencial é que ele será compatível com o Windows 7 OS. Não foram divulgados maiores detalhes.

Tanto o tablet da HP como o da Dell aceitará o software Flash da Adobe, o que permite acesso a sites de vídeos populares e terão câmera, ponto este muito criticado no iPad, mas já especula-se que a segunda versão do iPad virá com câmera.

A Nokia também está com planos de lançar ainda este ano a sua versão de dispositivo no formato de prancheta, o mesmo acontece com a empresa japonesa Sony, um mercado que a empresa já está de olho.

Muitos críticos dizem que o iPad não substitui o laptop, mas se eu não estiver enganado o próprio Steve Jobs disse que ele queria que o iPad iria preencher a lacuna que havia entre os smartphones e os laptops, portanto não é para substituir o laptop mesmo.

Enfim eu acho que o iPad não foi lançado para roubar o mercado de notebooks, mas pode ser que ele belisque o de netbooks, o que para mim já é uma outra categoria, tablet, netbook e notebook cada um na sua.

Abraços e até mais…

[Via: International Press]