iPod School

Apple revê sua participação dos lucros da App Store

André BazagliaAndré Bazaglia

Desde que a App Store foi lançada, o modelo de divisão de lucros entre a Apple e os desenvolvedores se manteve, em essência, a mesma: 70% do lucro sobre as vendas é repassado para os desenvolvedores, e os outros 30% ficam para a Apple. Algumas novidades, como serviços de compras dentro do app (in-app-purchase) e serviços de assinaturas surgiram, mas no modelo de divisão do lucros, a porcentagem sempre se manteve a mesma desde 2008, quando a loja virtual foi inaugurada.

De acordo com o portal britânico de credibilidade Financial Times, que afirma ter fontes bastante confiáveis, a situação irá mudar pela primeira vez. Para o jornal focado em notícias do mundo financeiro, empresas que atuam em áreas específicas — como músicas — estão enfrentando problemas de rentabilização devido a perda de 30% da receita, que vai para a Apple. De quebra, desenvolver para o iOS teria mais um atrativo se a porcentagem do lucro da Apple abaixasse. Afinal, a Amazon e a Google também ficam com 30% do lucro final do desenvolvedor, e mesmo assim são mais rentáveis para os desenvolvedores por serem mais populares. A Apple está, hoje, um pouco atrás no quesito de ser atrativa.

Existem quatro possibilidades. Primeira: nada mudará. Segunda: haverá uma redução geral da participação de lucros da Apple. Terceira: haverá uma redução de lucros da Apple só para as áreas que sejam prejudicadas por isso (música, vídeos e notícias). Quarta: haverá uma redução geral mínima, e uma redução mais agressiva para as áreas mais prejudicadas pela porcentagem que a Apple ganha das vendas.

Nesta segunda-feira, 8 de junho, a Apple poderá dar um passo dentro dos serviços de streaming de músicas. Em sua apresentação da WWDC, novidades bacanas podem surgir. Para a Apple, o fato da mesma empresa que oferecer um serviço de streaming de músicas possuir o iOS (um sistema operacional móvel de uso altíssimo) e o iTunes (maior loja virtual de músicas do mundo) já conta como fatores positivos e ela tem tudo para, posteriormente, superar os grandes nomes de streaming de música, como o Spotify. Nossa expectativa é que o preço pelo serviço seja 10 dólares mensais. O Spotify sai por 10 dólares mensais, e no Brasil seu preço é R$ 14,90/mês. Acho difícil que a Apple ofereça um preço especial para o Brasil como a Spotify faz, já que a App Store até hoje é toda em dólar. No entanto, espero estar errado.

Cobriremos o evento ao vivo no iPod School LIVE.

Programador, blogueiro, estudante de Engenharia de Computação. Em busca de deixar sua marquinha no universo.